Como é o Natal de uma família Dinamarquesa?

Finalmente chegou. O tão aguardado dia, ou melhor, dias de Natal. A Consoada é o momento em família mais aguardado de toda a época, repleta de pequenas tradições e pratos especiais. E nos restantes dias (sim, porque o Natal se estende até ao dia 26 de Dezembro) o importante é aproveitar a vida.

No 24 de Dezembro, apesar de não ser feriado, maior parte das pessoas estão focadas nos últimos preparativos para apreciar a noite em família. Disse noite? Calma, maior parte das famílias encontram-se a meio da tarde e jantam às 18h, o que significa que se tivesses de esperar pela meia-noite para abrir os presentes haveria provavelmente umas sestas pelo meio e seria necessária uma segunda mesa de mostras gastronómicas.

julemadA mesa da Consoada é farta, e com uma grande variedade de carnes deliciosas, como por exemplo pato recheado e flæskesteg (na fotografia). Outras coisas como as salsichas frescas de nome medister, rolo de fiambre fumado, couve roxa, batatas com molho doce, molho castanho, e muitas outras delícias.

A sobremesa é algo muito especial: Ris à la mandebasicamente um arroz-doce com pedaços de amêndoa e natas, e cerejas em calda por cima. Especial pela tradição que envolve: algures na taça está uma amêndoa inteira; quem encontrar a amêndoa recebe um presente. Duplamente delicioso!

Surpreendeu-me o facto de vinho do Porto ser uma presença quase obrigatória na mesa após o jantar. Para além disso, é um presente muito comum e apreciado, pelo que encontro variadíssimas marcas e tipos à venda no mais comum dos supermercados.

sangChega a hora de reunir a família junto da árvore de Natal. Ainda existem famílias que celebram o Natal com uma tradição de origem religiosa: cantar canções de Natal à roda da árvore. Depois deste momento (que se pode tornar bastante divertido, especialmente com crianças ou adultos disparatados), distribuem-se os presentes.

Tak for mad, tak for gaven, tak for i dag, e assim se passou uma muito agradável primeira Consoada na Dinamarca.

Os dias 25 e 26 são em geral outro dia para reunir a família, desta vez ao almoço. Mais uma dose extraordinária de comida e hygge, pois nada está aberto para fazer compras (nem mesmo alguns dos maiores supermercados). No entanto, sair à noite no dia 25 tornou-se um hábito para as camadas mais jovens, que se juntam para jantares em casas de amigos e beber (muito). Faz sentido, visto que no dia 26 podem ressacar o dia todo.

 

Anúncios

Tradições de Natal na Dinamarca, v.3

Existem imensas coisas típicas que se fazem na altura do Natal, que enchem toda a gente de alegria e conforto. Nas vilas e cidades não faltam os eventos e incentivos para fazer algo diferente: ora um Pai Natal que aparece às crianças, ora um pinheiro gigante prestes a ser iluminado por milhentos leds, ora um mercadinho de Natal aqui e ali, enfim. Coisas que distraem as pessoas do frenesim das compras e prendas de última hora.

Uma das coisas mais reconfortantes que se costuma fazer em família é pastelaria e biscoitos típicos da época. E a lista de possibilidades é longa:

pebernodder

Pebernødder – Pequeninos biscoitos super saborosos com diversas especiarias, entre as quais umas pitadas de pimenta branca, resultando num sabor intenso e viciante

 

brunekager

Brunekager – deliciosas e estaladiças bolachas à base de canela com pedaços de amêndoa, lembra as Pepparkakor do IKEA

 

klejner

Klejner – massa frita e à base de manteiga, farinha e especiarias, uma espécie de coscorões à moda dos países de norte

 

vanillekranse

Vanillekranse – biscoitos bem docinhos com sabor a baunilha e com pedaços de amêndoa, a forma de rosca dá-lhes o nome de coroa

 

honninghjerter

Honninghjerter – biscoitos fofinhos à base de mel com cobertura de chocolate. Muitas vezes são decorados com motivos natalícios, outras vezes com coisas aleatórias

 

Isto é só uma amostra da loucura de coisinhas doces que se tornaram tradicionais no Natal da Dinamarca. Prometo revelar muito mais, talvez em 2017.

Gløgg, o sabor a Natal numa caneca

Uma das coisas em que me viciei nesta época foi o gløgg, a versão dinamarquesa do vinho quente, famoso em imensos países do norte da Europa.

Claro que não se trata apenas de vinho aquecido, tem todo um leque de especiarias e sabores que provocam um sentimento de conforto e felicidade.

Deixo aqui a receita para a felicidade instantânea (não, não se trata de alucinogénos ou substâncias psicotrópicas):

  • 1/2 laranjasodtoghyggeligt-post
  • 2 paus de canela
  • 2 estrelas de anis
  • 2 folhas de louro
  • 1/2 c. chá de grãos de pimenta preta
  • 1/2 c. chá de grãos de cardamomo
  • 1/2 c. sopa de cravinhos
  • 30g de açúcar mascavado
  • 2 1/2 copos de água
  • Garrafa de vinho tinto
  • Amêndoas em palito e passas para servir

Num tacho, junte todos os ingredientes excepto o vinho amêndoas e passas. Leve ao lume até ferver, baixe o lume e deixe cozinhar durante ca. 10 minutos. Retire do lume e deixe repousar a mistura por 2 horas.

Transfira para um novo tacho, escorrendo a mistura, e junte o vinho tinto. Aqueça lentamente até ca. 80ºc (não ferva). Pode juntar um pouco de whiskey, rum ou aguardente se preferir.

Sirva quente num copo / caneca com algumas amêndoas e passas, e acompanhe com biscoitos da época.