Cheguei, e agora?

Para todos aqueles que se relacionam com a Dinamarca de alguma maneira, quer por curiosidade, ligações diretas ou indiretas, deixo aqui um pouco das diferenças e semelhanças entre as minhas origens e este país de encantos diversos a norte da Europa.

Estas crónicas são o resultado de uma mudança de vida pouco planeada, nunca antes considerada, mas com uma forte razão: amor. Confesso que a parte mais difícil foi tomar a decisão de deixar Portugal e comunicá-la às pessoas que mais gosto. Deixar tudo com que sempre me relacionei, fazer as malas e partir com futuro incerto foi um passo que exigiu alguma coragem e horas de reflexão.

E agora? Longe daqueles com que partilhamos laços desde sempre, com os quais a comunicação e entendimento sempre foi natural, está na hora de trabalhar arduamente na chamada de integração. O conceito de integração num novo país é um assunto sério, que todos os que aceitam mudar para uma nação diferente devem considerar abraçar, em prol de uma vida em sociedade equilibrada e feliz. Este envolve aspetos como aprender a língua, conhecer o país e a sua história, descobrir as tradições e envolver-se com a vida em comunidade o máximo possível. Perceber os diferentes hábitos e fazer destes parte da nossa própria rotina é algo que nem sempre é fácil, mas tudo contribui para o sentimento de inclusão na sociedade.